em99t

posso por uma ddr3 em slot ddr4

A presença do deputado federal André Fernandes (PL-CE) causou uma grande confusão, nesta terça-feira (6), na reunião da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que apura os atos golpistas do dia 8 de janeiro. Indicado para ser um dos integrantes da CPMI, o parlamentar cearense é um dos investigados no Supremo Tribunal Federal (STF) por envolvimento no caso, que terminou com a vandalização das sedes dos poderes Executivo, Judiciário e Legislativo, em Brasília. SÃO PAULOSequencia de tiros atinge policial aposentado que morre após socorro: assista o momento do crime BizarroHomem morre dentro de lotérica e local segue funcionando com corpo estirado no chão; assista Devido a isso, o deputado federal Rogério Correia (PT-MG) questionou a presença de Fernandes na CPMI, pedindo sua retirada dos quadros da comissão e a consequente substituição dele por outro parlamentar. window.uolads && window.uolads.push({ id: "banner-300x250-1-area" }); Na sequência, o deputado federal Filipe Barros (PL-PR) saiu em defesa de Fernandes, afirmando que a questão estava “vencida”, já que investigados já participaram de outras CPIs no Congresso Nacional. Presidente da comissão, o deputado federal Arthur Maia (União Brasil-BA) afirmou que não tomaria nenhuma atitude quanto ao solicitado por Correia. Segundo ele, a decisão sobre quem participa das CPIs no Congresso é das lideranças das bancadas, não da presidência dos colegiados. "Não existem deputados pela metade. Ou o deputado é deputado e pode participar de qualquer comissão nesta casa, ou não é e não pode fazê-lo. Quero dizer também que a indicação de membros da CPI não compete ao presidente do colegiado e, sim, aos líderes partidários", justificou Maia. window.uolads && window.uolads.push({ id: "banner-300x250-2-area" }); Enquanto os oposicionistas presentes na comissão aplaudiam a fala de Maia, os deputados governistas protestavam. Os ânimos exaltados só foram interrompidos depois que o presidente da CPMI encerrou o debate e passou a palavra para que a relatora da investigação, Eliziane Gama (PSD-MA), iniciasse a leitura do plano de trabalho.